Categorias
Igrejas

Uma pequena grande igreja: a capela de São José de Ouro Preto

Conheça a capela de São José de Ouro Preto, a igreja dos artistas do período colonial.

Localizada sobre as bases de uma capela primitiva de meados de 1730, a atual igrejinha de São José não costuma entrar nos roteiros de visitação, embora seja um dos templos de maior interesse aos estudiosos da evolução da arte barroca em Minas Gerais.


Dedicada ao pai dos carpinteiros, o tempo reuniu em sua história algumas das irmandades mais populares de Vila Rica. A irmandade de São José era a preferida dos artesãos e frequentada também por todo tipo de profissional liberal, artistas, poetas e músicos (a invocação original do templo é Capela de São José dos Pardos e Bem Casados e Santa Cecília dos Músicos). Essa era a igreja dos artistas e que teve em seu corpo de membros o maior dos nomes do barroco brasileiro: Aleijadinho.


Seu projeto é de autoria desconhecida e sua execução ficou a cargo de diferentes mestres ao logo dos anos. A curiosa sacada sobre a entrada é evidentemente um elemento recente, acrescentado em meados de 1828.

A igreja conta com quatro altares laterais, dois de talha recente, dois de talha antiga. As imagens são dedicadas a santos protetores de causas populares. À esquerda de quem entra: São José Nepomuceno e Nossa Senhora da Boa Morte, Nossa Senhora do Parto (protetora das grávidas) / São José de Botas (protetor dos artesãos). À direita de quem entra temos Santa Barbara (protetora dos militares) Santa Cecília (protetora dos músicos).


O risco do altar-mor é de Aleijadinho e foi executado pelo entalhador Lourenço Rodrigues Souza entre 1775 e 1778. É esse altar-mor que merece destaque, assim como as excelentes imagens que colorem os altares-laterais. O traço possui muitas das características que seriam aplicadas sua obra prima, a igreja de São Francisco de Assis.

Igreja de São José de Ouro Preto

As pinturas do altar-mor, do lavabo da sacristia e parte do douramento ficaram a cargo do pintor romântico italiano Ângelo Clerici, o mesmo do teto da igreja de Nossa Senhora do Carmo.


Igreja de São José (1752 – 1811)
Rua Teixeira do Amaral. Centro. Tel. (31) 3551-4736. Visitação: somente em celebrações ou mediante agendamento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.